Publicidade

terça-feira, 13 de maio de 2008

Brasil e Escravidão

Neste dia treze de maio, como todo mundo deve saber – se freqüentou a escola algum dia -, comemora-se mais um ano em que foi assinada a Lei Áurea. Mas, desta vez, era para ser um tanto especial, visto que esse tratado é de 1888, ou seja, 120 anos sem nenhuma pessoa “não-branca” vivendo desse jeito que nem os animais, naquela época, viviam. Tudo coisa da Princesa Isabel que, segundo Raul Seixas, se amarrava num negão.

Os jornais aproveitam essa data para fazer aquelas reportagens sócio-educativas, como os negros, cada vez mais, têm chances de entrar na universidade – porém, na mesma ocasião, criticam algumas iniciativas do governo federal. Também mostram como, hoje, negros e brancos vivem em paz, sendo que isso é uma falsidade, porque duvido que a maioria dos que lêem esse espaço, ao avistar um negro vindo em sua direção, não atravessa a rua com a desculpa de não ser assaltado. Eu mesmo já fiz isso inúmeras vezes e, de vez em quando, me pego pensando em mudar de direção – e tenho certeza que não sou o único, mas sou um dos poucos a admitir isso.

Então, toda essa falsa festa, como se ainda não tivéssemos essa situação em muitas fazendas. Para se ter uma idéia, em 1999, pelo menos 77 pessoas foram tiradas dessa situação. Setenta e sete. Imagina quantas outras não estão nessa porra de vida – se é que podemos chamar isso de vida. Aliás, não precisa imaginar. Nesse ano já tiraram mais oito pessoas dessas condições.

Entre os acusados de ter escravos em sua terrinha também estão alguns que, pelo nome da família, é um tanto difícil de acreditar. Por exemplo: alguém acredita que o pai do Ayrton Senna seria acusado de manter pessoas na escravidão? Justo o pai de um cara que criou uma instituição que faz um puta trabalho social?

É, é foda. Infelizmente, no dia 13 de maio, não vejo nada a comemorar além do aniversário do meu irmão Thiago. Falando nisso: mano, te amo.

***


P.S.1: Alguém aí gosta de Sérgio Mallandro? Se sim, clica aqui.

P.S.2: Quero agradecer a minha amiga Biba por me considerar um amigo fodão e, inclusive, me defender caso alguém fale mal de mim à ela. É por isso que te amo, Biba! \o/

10 comentários:

Manu disse...

é, escravidão, escravidão MESMO, a gente pode dizer que não existe mais, não do jeito q era antes. mas tem muita gente que sofre com chefes, o que muito escravo não sofreu.
e, não podemos negar, que os negros sofrem muito preconceito, ainda.
enfim. assunto complexo e eu acabei de acordar =x

feliz aniversário pro teu irmão o/

;*

tarso marques disse...

a escravidao apenas mudou sua forma..

Bianca Rieth disse...

Lei Áurea, 120 anos, já faz tempo desde que, à princesinha Isabel assinou aquele bendito papel. Algumas coisas mudaram, outras continuam regredindo no tempo, como muitos casos de trabalho escravo, só que, hoje não é somente o homem negro, hoje há marginalização do trabalho (como em minas de carvão, tijolos, nos canaviais, nas grandes fazendas), que exploram a mão de obra.
No quesito pré-conceito, ainda há, sim. O Brasil que é um país bastante “misturado”
(uma mistura infinita de etnias), mas existe, e não adianta dizer que não. Hoje em dia, eu tenho é medo do “homem branco e engravatado”, esse sim, me causa náuseas.

Então, Parabéns para o teu irmão!! =D

Thiago disse...

Primeiramente, grato pelas congratulações, Bianca.
À Mani, tenho a dizer que escravidão MESMO existe sim. Independente da quantidade e melalina ainda há pessoas que trabalham apenas por comida e são vendidas entre fazendas para trabalhar 16, 18h por dia.

Mano, mto bom teu texto. Sobre escravidão, a Lei Áurea foi um enorme passo. Todavia é ignorância das massas "estudadas"/civilizadas/metropolitanas a comemoração de tal data. Já que essa tal de escravidão existe sim - em menor escala.
Preconceito/Pré-conceito é uma coisa inerente à pessoas ignorantes que não sabem aceitar as diferenças. Sim mtos atravessam a rua, mtos riem ao me ver com um black power na cabeça (justamente pq quem tem orgulho de ter o cabelo crespo e o mostra é visto como exdrúxulo)- 10 - seguranças me pararm na UFRGS qdo eu saía mais tarde de um prédio - do qual tenho chave, por ser merecedor - justamente pq eu tenho cabelo afro e não escondo (me orgulho) da minha descendência africana. São inúmeros casos, um até bem recente, do qual prefiro não falar.

Mas... Deveras bonito e realista teu texto, toca na ferida de algumas pessoas que virão se defender com argumentos baratos e pregando a igualdade, mas continuarão a atrvessar a rua e coisas do tipo.

Beijo, mano, te AMO!

Mar e Ana disse...

Li um livro sobre escravidão esses dias... é foda, não é?
E isso é uma coisa tão dificl de lidar porque mesmo alguns negros tbm têm muito racismo e outros preconceitos, quando na verdade, todo mundo é igual, vai morrer um dia e eu acho uma pena q muitas pessoas nao saibam respeitar a vida das outras...
com 120 anos de fim da escravidão, é uma pena que até hoje ainda exista muita gente que faz isso...


Hei, adorei o texto anterior :D
em Letras a gnt sempre le/estuda alguma coisa sobre o q o autor fala e o q ele poderia ter dito ou o q ele quis dizer e o q interpretaram e talz... Mto legal isso :D


:&

Mar e Ana disse...

opa, ali, no finalzinho, é um beijo, tá?
hehe =p

:***

Bianca Rieth disse...

Nossa Thiago, ser barrado na própria universidade, que ridiculo isso! Mas isso ainda acontece, infelizmente. As pessoas acham que uma cor, uma condição social, as torna mais do que as outras, só que, na realidade somos todos um bando de merda, que um dia vamos morrer e não levaremos nada dessa vida.

Como eu falei, a escravidão ela ainda existe, e hoje não é uma cor que define.


Poxa, eu acho muito tri teu cabelo, irado! tu falou uma coisa interessante, tu tens orgulho das tuas origens, mas existem muitos por aí, que não. E isso, chega a ser deprimente.

Beijos

Nina 512 disse...

"Tudo coisa da Princesa Isabel que, segundo Raul Seixas, se amarrava num negão."


auiajuahauhauhauhauahu


FATOOOOOOOOO


^^


caraca, eu nem me toquei no "13 de maio"
passou em branco
literalmente

=P

Desarranjo Sintético disse...

Nossa, que texto bem apropriado para o dia 13. Estou impressionado com a quantidade de informações que você conseguiu passar com um texto enxuto. Os links estão muito esclarecedores, li tudo e é realmente lamentável pensar que ainda pode existir impunemente esse tipo de coisa.
Só um P.S.: Dizem as más línguas que na verdade a princesinha era uma baita de uma perua, e que claro, tinha vários interesses não-abolicionistas que fizeram com que sua mão-real assinasse a tal lei Áurea...

Que tal uma troca de links? Topa me add entre teus favoritos, se eu te favoritar?

Tem texto novo lá...

www.desarranjosintetico.blogspot.com

Abraços!

Fábio Nunes.

Mary West disse...

Já começa errado, pq p/ mim devia ser feriado.